Conheça as tradições que marcam o período da Quaresma!

A quarta-feira de cinzas marca o início do tempo quaresmal. É um período litúrgico celebrado pelos católicos. O objetivo é a preparação para a páscoa.

Na quaresma, após os festejos do carnaval, considerada a festa da carne, os católicos se submetem a penitências como, por exemplo, o jejum.

O Circuito do Ouro mantém diversas tradições que marcam este momento. Porém, devido a pandemia do COVID 19 várias celebrações, assim como no ano passado, serão adaptadas, para que os fiéis possam participar dos momentos de reflexão.

Conheça os momentos que marcam este período!

Quarta-feira de Cinzas!

Neste dia, primeiro da quaresma, os fiéis recebem durante a celebração a unção com as cinzas. Ela simboliza o momento de conversão, mudança de vida. É uma data móvel, porém, sempre celebrada 40 dias antes da páscoa.

Algumas paróquias da nossa região já estão recebendo os fiéis, porém, com números reduzidos e seguindo as orientações dos munícipios. Por isso, fique atento!

Ornamentação roxa

Uma das grandes curiosidades das pessoas é o uso da ornamentação roxa nas igrejas durante o período quaresma.

Desde o altar e o paramento (elemento que compõe as vestes dos padres), são modificados para o roxo. A cor representa preparação, penitência e conversão. Usada nas missas da Quaresma.

Jejum e Penitência

Para os católicos a quaresma é um período de dedicação e sacrifícios, principalmente, dos alimentos. É muito comum as famílias que vivem na região do ouro (e em vários outros cantos do país também) se dedicarem a não consumir carne, seja por quarenta dias ou em dias específicos, seguindo as orientações da igreja.

Há! É considerado também o jejum dos alimentos preferidos, por exemplo, passar quarentas dias sem consumir queijo, que é um dos alimentos mais consumidos em Minas.

Período de oração

A igreja católica também convida os fiéis a dedicação à oração. É considerado uma boa prática a oração dos salmos ou ainda a via sacra às sextas-feiras.

Você pode experimentar compartilhar as orações com os amigos e familiares de maneira online.

E quando for possível não deixei de vivenciar as possibilidades da rota religiosa pelo Circuito do Ouro. Além é, claro, das tradições do período da quaresma e da semana santa.

Gostaram das curiosidades? Vamos disponibilizar a programação religiosa dos roteiros em nosso perfil. Acompanhe!

Ah! E não deixe de ler o texto Aproveite a quarentena para conhecer algumas igrejas pelo Circuito do Ouro – Circuito do Ouro.

O post Conheça as tradições que marcam o período da Quaresma! apareceu primeiro em Circuito do Ouro.

Conheça as possibilidades pelos roteiros do Circuito do Ouro

No coração da Estrada Real em Minas Gerais, situa-se os roteiros do Circuito do Ouro, composto por várias cidades com afinidades naturais, culturais e históricas, próximas umas das outras e não muito longe da capital do estado, Belo Horizonte.

A região é rica em metais preciosos e repleta de serras e vegetação exuberante, despertou sonhos nos seus desbravadores e marcou o apogeu da extração do ouro no Brasil colonial, deixando um rico legado em história e arte. Hoje, a região continua sendo destaque na extração de minério de ferro ao mesmo tempo em que atrai turistas do Brasil e do mundo.

São 15 municípios que permitem descobrir Minas Gerais de um jeito diferente, são eles: Caeté, Barão de Cocais, Santa Bárbara, Catas Altas, Sabará, Itabira, Nova Era, Nova Lima, Raposos, Rio Acima, Itabirito, Ouro Preto, Mariana, Ouro Branco, Congonhas, Itabira e Nova Era.

Para facilitar o planejamento da sua viagem, organizamos os municípios por roteiro, são quatro: entre serras, entre trilhas, entre cenários e ruralidades.

Entre Serras da Piedade ao Caraça

O Entre Serras da Piedade ao Caraça é um roteiro ligado por dois importantes santuários, Piedade e Caraça. Ao percorrer as quatro cidades que compõem o Entre Serras – Caeté, Barão de Cocais, Santa Bárbara e Catas Altas, você poderá conhecer as rotas religiosa, ecológica e gastronômica.

O roteiro é marcado por belíssimas construções. Sua paisagem já serviu de cenário, inclusive, para produção de minisséries. Além disso, há várias cachoeiras, trilhas e espaços para prática de esportes.

 

Entre Trilhas, Sabores e Aromas

Neste roteiro você poderá mergulhar nas delícias da cozinha mineira de um jeito diferente. Afinal, o Entre Trilhas apresenta possibilidades gastronômicas que vão além do pão do queijo.

Rio Acima, Itabirito, Nova Lima, Sabará e Raposos também proporcionam diversas experiências junto a natureza. Por isso, se você gosta dessa mistura, a rota gastronômica e de natureza do Entre Trilhas é a melhor opção.

Entre Cenários da História

Tudo que passa no seu imaginário sobre a história de Minas e do país você encontra por aqui, isso e muito mais. Sabe aquela quantidade de casarões históricos que você vê pelas fotos? São reais! Visitar o Entre Cenários é viajar no tempo.

Mariana, Ouro Preto, Ouro Branco e Congonhas guardam grande parte do acervo histórico do país, por isso, é possível vivenciar a rota das artes e a histórico-cultural. Ah! Temos ainda vários atrativos de natureza e aventura. Não é incrível?

Entre Ruralidades e Personalidades

Esse roteiro é composto pelas cidades de Itabira e Nova Era, que, por ficarem próximas a Belo Horizonte, são de fácil acesso e atraem muitos turistas todos os anos. O melhor de tudo é fazer o passeio completo, visitando e aproveitando essas duas cidades.

O Entre Ruralidades  possui duas rotas, do tropeirismo e das personalidades. Ipoema, distrito de Itabira é um dos destaques, a pequena vila guarda o museu do tropeiro. Já em Nova Era é possível se aventura na Fazenda da Vargem, lugar tranquilo e com grande peso histórico para o município.

Agora que você já conhece os roteiros, que tal conhecer melhor cada uma das rotas em um próximo texto?

O post Conheça as possibilidades pelos roteiros do Circuito do Ouro apareceu primeiro em Circuito do Ouro.

A história do Santiago: pai e pequeno produtor do Entre Serras

Os roteiros do Circuito do Ouro são repletos de grandes histórias, de personagens do passado e da contemporaneidade. Hoje escolhemos contar a história do pequeno produtor Santiago lá de Cocais, distrito de Barão de Cocais, no roteiro Entre Serras do Circuito do Ouro.

O sonho do Santiago era ter uma família unida, com tempo de qualidade juntos. Depois de alguns anos de casamento, ele descobriu que seria pai. Nesse mesmo período ele foi transferido para quilômetros de distância de sua casa, mas a mudança não chegou a completar dois meses, porque a saudade era grande demais.

O casal decidiu, então, que era chegada a hora de mudar. Ambos deixaram os anos de empresa, negociaram a casa por um sítio, queriam viver da terra, produzir apenas produtos orgânicos, quitandas e queijos, e vender tudo diretamente para o consumidor. Deu certo!

No dia que eles assinaram os papeis para começar essa nova vida, o inesperado aconteceu, no cartório mesmo. A primeira filha do casal, uma menina linda e muito esperta, resolveu que também era a hora de nascer. Uma mudança completa!

O sonho do Santiago finalmente era real. Naquele dia nasceu um pai, uma família unida, e uma vida cheia de satisfação de poder fazer o que se gosta ao lado de quem se ama.

Dá gosto de ver o brilho nos olhos dele quando conta a história do sítio oferecendo as quitandas que ganharam o nome de “Sabores Entre Serras”, como ele consegue produzir produtos orgânicos num espaço completamente sustentável, e como a chegada da primeira filha foi importante para que decidissem fazer essa mudança completa na sua vida. É uma história linda, concorda?

Conheça mais sobre a Vila Cocais

Cocais é uma pequena Vila colonial, muito charmosa. Planeje pelo menos um dia cheio por lá.

Chegue cedinho e tome um delicioso café, tipicamente mineiro, preparado pela Mirtes. Ela é uma das quitandeiras mais famosas do roteiro Entre Serras recebe a todos na fazenda Rancho Novo da Praia. Depois dê uma passada na Igreja Nossa Senhora do Rosário, construída em 1855 e que fica no centro histórico.

Depois, aproveite para conhecer o Sítio Arqueológico da Pedra Pintada, com seus dois paredões onde estão 122 pinturas rupestres feitas há mais de 7000 anos divididas em três painéis, e uma vista da serra de tirar o fôlego. Em seguida aproveite o dia na Cachoeira de Cocais, uma das mais belas da região.

Na volta, almoce no Bar e Restaurante Pé de Serra, o restaurante vencedor por dois anos consecutivos no Festival Gastronômico de Barão de Cocais. Não deixe de provar a carne de lata (prato premiado) e o famoso feijão tropeiro.

E na volta para a casa, conheça o Sabores Entre Serras, onde o Santiago mostra todo seu sítio, como faz para produzir tudo ali, de forma orgânica e sustentável, e no final você ainda encerra o dia com um bom cafezinho e as quitandas para levar para casa.

SAIBA MAIS: Cocais é um distrito de Barão de Cocais, que fica no roteiro Entre Serras do Circuito do Ouro. Fazem parte do mesmo roteiro também Caeté, Santa Bárbara e Catas Altas. Todas as cidades estão bem próximas e possuem pequenos produtores que dão ainda mais vida a gastronomia do Entre Serras com o resgate da história na preparação dos alimentos, chamado de Primórdios da cozinha mineira!

Primórdios da cozinha mineira

No início do século 19, o Santuário do Caraça recebeu dois padres portugueses. Além da influência religiosa, houve também grande importância na gastronomia mineira ao colocarem em prática técnicas ligadas à comida dos mosteiros.

Essa gastronomia foi comum ao longo dos municípios do Entre Serras, roteiro ligado pelos Santuários da Piedade e do Caraça. Hoje você pode vivenciar os Primórdios da Cozinha Mineira ao longo desta rota! São pães, doces, bebidas fermentadas, queijos com curas especiais e carnes defumadas. Muitos pratos são feitos com matérias primas que você nem imagina! Vários estabelecimentos do roteiro já garantem pratos preparados com ingredientes dos primórdios. Ficou curioso? Aproveite a quarentena para planejar sua viagem pelo roteiro e descobrir um pouco mais da culinária local.

 

 

 

O post A história do Santiago: pai e pequeno produtor do Entre Serras apareceu primeiro em Circuito do Ouro.

Conheça um pouco mais sobre a história de Tiradentes

“Tiradentes” era o apelido dado a  Joaquim José da Silva Xavier, que ficou famoso por ser um dos líderes da Inconfidência Mineira e por ter sido o único, entre os inconfidentes, a receber a pena capital (pena de morte). 

Ele é um dos grandes personagens do Circuito do Ouro, por isso vale a pena conhecer um pouco mais sobre sua vida, tão importante na história de Minas e do país.

QUEM FOI TIRADENTES

Joaquim José da Silva Xavier nasceu em 1746, na então Capitania de Minas Gerais, durante o Brasil Colonial. Ao longo da vida desempenhou várias profissões, entre elas, estava a de dentista amador, por isso foi apelidado como “tira-dentes”. Tiradentes também foi fazendeiro, caixeiro viajante, tropeiro, e alferes (patente abaixo de tenente) da cavalaria de Dragões Reais de Minas, a força militar atuante na Capitania de Minas Gerais e subordinada à Coroa Portuguesa.

Conheceu o interior de Minas Gerais e o caminho entre a capitania e o Rio de Janeiro, e por causa disso, era um importante propagador das ideias da inconfidência. Tiradentes costumava andar pelas ladeiras de Vila Rica, atual Ouro Preto, e participar ativamente da vida da cidade. Ele nunca se casou oficialmente, mas teve uma filha legítima, a Joaquina, com sua companheira, Antônia Maria do Espírito Santo.

ROTEIRO PELA HISTÓRIA DE TIRADENTES

Melhor do que saber da vida de Tiradentes, é percorrer os espaços por onde ele fez história no roteiro Entre Cenário da História do Circuito do Ouro.

 

  1. RUA SÃO JOSÉ – OURO PRETO

Endereço: Rua São José, nº 132

Tiradentes morava na rua São José, conhecida como “rua dos bancos”, com sua companheira Antônia e a filha do casal, Joaquina. Eles não eram casados. A casa foi destruída em 1792, assim como o terreno foi salgado para que nada crescesse ali, como parte da sentença judicial que condenou Tiradentes. No meso terreno, anos mais tarde, foi construído um sobrado onde hoje funciona a Associação Comercial e Empresarial de Ouro Preto.

 

  1. CASA DOS CONTOS – OURO PRETO

Endereço: Rua São José, nº 12

A Casa dos Contos é um antigo casarão que virou museu e conta a história da moeda desde o Brasil Colônia até hoje. No passado, era residência do contratador João Rodrigues de Macedo e um dos edifícios mais majestosos do seu tempo. Era um dos lugares que Tiradentes se encontrava com os outros inconfidentes. No térreo funcionava o espaço de negócios, o andar superior era a residência, e no porão era a senzala.

 

  1. RUA DIREITA – OURO PRETO

Rua Conde de Bobadela (Rua Direita), nº 55

A casa que hoje funciona uma loja, antigamente era a moradia do comandante do Regimento de Cavalaria de Minas Gerais, Francisco de Paula Freire de Andrada, e onde os rebeldes também costumavam se reunir na Rua Direita. Foi lá que, numa das reuniões dos inconfidentes, entre os tantos pontos abordados, que Tiradentes defendeu a morte do governador de Minas Gerais, e se ofereceu para realizar a tarefa.

 

  1. CASA DA ÓPERA – OURO PRETO

Endereço: Rua Brigadeiro Mosqueira, nº 4

A Casa da Ópera é o mais antigo teatro em atividade das Américas. E um os frequentadores assíduos da casa era Tiradentes.

 

  1. IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DO PILAR – OURO PRETO

Endereço: Praça Monsenhor João Castilho Barbosa, s.n.

Foi na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar, aquela adornada com mais de 400 quilos de ouro, que Tiradentes batizou sua filha Joaquina e prometeu se casar com a mãe dela, Antônia. Naquele dia ele confirmou em voz alta que era o pai da criança. Porém, depois de passar meses em suas viagens, descobriu a traição da companheira, devolveu ela a mãe e eles nunca se casaram.

 

  1. PRAÇA TIRADENTES – OURO PRETO

Endereço: Praça Tiradentes

No século XVIII, a atual Praça Tiradentes era conhecida como Morro de Santa Quitéria e servia de divisão para duas freguesias: Antônio Dias e Pilar. Localizada no coração de Ouro Preto, a praça recebeu o atual nome em homenagem ao inconfidente Tiradentes. Ele foi traído por Joaquim Silvério dos Réis, foi preso no Rio de Janeiro. Após passar quase dois anos na prisão, foi enforcado e teve o corpo esquartejado. Suas partes foram expostas em vários pontos de Vila Rica. Onde teve sua cabeça exposta, é onde hoje está a sua estátua na Praça Tiradentes.

 

  1. CASA TIRADENTES – OURO BRANCO

Endereço: Rodovia MG-129 Carreiras

A atual Casa Tiradentes, antigamente era conhecida como Fazenda de Carreiras. Lá era local de criação, venda ou troca de cavalos e ponto de cobrança de impostos, em ouro, exigidos pela corte portuguesa. Pessoas importantes pernoitavam no casarão, como Dom Pedro II, e também Tiradentes que fazia reuniões secretas ali durante as suas viagens de para difusão dos ideais de liberdade da Inconfidência.

 

SAIBA MAIS

LIVROS: Você pode se aprofundar mais na história de Tiradentes lendo os livros  O Tiradentes – Uma biografia de Joaquim José da Silva Xavier e Boa Ventura! A corrida do ouro no Brasil, ambos do jornalista Lucas Figueiredo.

MUSEU DA INCONFIDÊNCIA, OURO PRETO: Pode também conhecer mais da história visitando o Museu da Inconfidência em Ouro Preto, e vendo especialmente a tela Leitura da sentença de Tiradentes, de Leopoldino de Faria (1836-1911), pintor oficial da Academia Imperial do Rio de Janeiro. O quadro com 3,25 metros de largura e 2,45m de altura, foi cedido pelo Legislativo municipal ao museu, onde deve ficar até, pelo menos, 2024. Inclusive você pode fazer uma visitar virtual ao museu pelo site  http://eravirtual.org/museu-da-inconfidencia/

 

Gostou? Agora você já tem mais um bom motivo para conhecer as cidades do Circuito do Ouro!

 

O post Conheça um pouco mais sobre a história de Tiradentes apareceu primeiro em Circuito do Ouro.

Aproveite a quarentena para conhecer algumas igrejas pelo Circuito do Ouro

A Semana Santa é um período de reflexão e também pode ser uma excelente oportunidade para peregrinações pelas belas igrejas do Circuito do Ouro. Ops! Desta vez convidamos vocês para um roteiro virtual.

Devido ao COVID 19 a recomendação é que a gente deixe a viagem para depois. Enquanto isso, vamos conhecer um pouco mais as igrejas para programar a próxima viagem, combinado?

As opções são muitas e algumas delas muito famosas e conhecidas internacionalmente por suas riquezas arquitetônicas e artísticas. Para ajudar a aproveitar melhor sua viagem, selecionamos aqui algumas igrejas que merecem uma visita contemplativa e muito tempo para orações e mergulhos na história de Minas Gerais. Outra vantagem é que todos os roteiros são próximos da capital, o que pode tornar tudo mais tranquilo e com mais economia. Vamos começar o passeio pelas igrejas do Circuito do Ouro:

 

Entre Cenários: igreja Matriz de Santo Antônio em Ouro Branco

A Igreja Matriz de Santo Antônio, que se encontra na região central do município de Ouro Branco, é uma das mais antigas instituições paroquiais de Minas Gerais e um exemplo clássico do Barroco do século XVIII. Foi tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional em novembro de 1949.

A parte exterior da Matriz traz as influências da reforma introduzida por Aleijadinho. A igreja é constituída principalmente por pedra, incluindo as colunas, cunhais, cimalha, portada e as sacadas de sua fachada. No interior da Matriz encontram-se pinturas de caráter ilusionista do Mestre Ataíde, com cores claras e translúcidas, representando o Santo Antônio, a Virgem e o Menino Jesus.

 

Entre Cenários: santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas

Uma das belezas religiosas mais características do Estado, o Santuário é Patrimônio Mundial da Humanidade e foi construído entre 1757 e 1790. No adro da basílica, os 12 profetas em pedra-sabão foram esculpidos por Aleijadinho e seus auxiliares.

Na parte interna, a igreja abriga relicários também talhados por ele, rica decoração rococó e pintura do teto assinada por Mestre Ataíde. Tem ainda seis capelas (passos), que representam as Estações da Cruz.   

 

Entre Serras: santuário de São João Batista em Barão de Cocais

Esta foi a primeira participação de Aleijadinho em um projeto arquitetônico. A construção da igreja ocorreu entre 1764 e 1785 e, no portal, há uma escultura de São João Batista, feita em pedra sabão — também obra de Aleijadinho.

Em seu interior, a pintura do teto é obra de Mestre Ataíde e seus altares são folheados à ouro.  É uma riqueza de detalhes que não acaba mais! Barão de Cocais fica a 70 km de BH e possui outras atrações interessantes, como a Igreja de Nossa Senhora do Rosário no distrito de Cocais.

 

Entre Serras: matriz de Nossa Senhora do Bom Sucesso em Caeté

A informações apontam que a primeira igreja matriz do local fora construída em 1732. No entanto, foi em 1752 que a matriz definitiva passou a ser edificada. Sua padroeira era a Virgem Maria, sob o título de Nossa Senhora do Bom Sucesso – uma devoção muito popular entre aqueles que procuravam ganhar a vida procurando metais preciosos nas regiões mineiras.

Há relatos de um antigo vereador caeteense, escrito ainda no século XVIII, dando conta que a planta da matriz teria sido feita e doada por Manuel Francisco Lisboa, pai do Aleijadinho.

A matriz foi construída com grandes proporções, possuindo um elevado pé direito e uma abundante iluminação natural. Além do elegante altar mor, há oito altares laterais, todos bastante harmônicos e com características de transição do barroco para o rococó. Destaca-se a presença de arcos interrompidos em alguns desses altares, uma característica pouco usual em outras igrejas de Minas e também pintura em perspectiva que ornamenta o forro da nave. Não há documentação acerca da autoria desses altares, mas foram detectadas características da escola do Aleijadinho.

 

Entre Trilhas: matriz de Nossa Senhora da Conceição em Raposos

A matriz de Raposos é considerada uma das três igrejas mais antigas de Minas Gerais, todas datadas do final do século XVII. Possui arquivoltas concêntricas em alguns de seus altares – elemento decorativo muito presente na primeira fase do barroco mineiro, e que era decorrente do chamado ‘Estilo Nacional Português’.

Apesar dessas características mais simples, há dois altares laterais com talha mais requintada, sendo que um destes é ornado com dossel, demonstrando que provavelmente foi acrescentado à igreja em data ligeiramente posterior, talvez em meados do século XVIII.

 

Entre Trilhas: capela Nossa Senhora do Ó em Sabará

Datada de 1717, ela possui uma fachada tipicamente barroca com traços simples. Seu interior feito em madeira, cedro e ouro, com pinturas emolduradas com temas da vida de Cristo e Nossa Senhora, surpreende os fiéis e visitantes.

O nome da capela deve-se as ladainhas que eram cantadas repetidamente e tinham suas antífonas precedidas por Ó, por isso, Nossa Senhora do Ó.

Entre Ruralidades: igreja de São José

A igreja de São José foi construída em meados de 1755, na pequena cidade de Nova Era. Seu formato lembra bastante a igrejinha do Ó de Sabará, dá uma olhada. A matriz é o símbolo da fé do município.

O retábulo-mor em estilo rococó é de autoria de Francisco Vieira Servas (1720-1811), o artistas, natural de Portugal, também deixou seu legado em outras cidades do Circuito do Ouro, depois a gente fala mais sobre ele. As pinturas existentes nos forros da nave e da Capela- Mor, não possui registros do autor.

 

Entre Ruralidades: ermida de Nossa Senhora do Rosário em Itabira

A igreja teve grande influência na formação urbana do município. A Ermida de Nossa Senhora do Rosário foi construída pelos negros alforriados no final século 18 para a Santa Maria do Rosário dos Pretos.

Antigamente não era permitido que negros frequentassem a mesma igreja dos brancos, mas nesta eles tinham um espaço reservado. O piso é de campas, onde foram sepultados os negros escravos ou alforriados, pertencentes a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário, fundada em 1812. A ermida caracteriza-se pela predominância do estilo barroco. A pintura do teto da capela-mor é de inspiração rococó.

E aí gostou das dicas? Agora é só aproveitar para saber qual roteiro você deseja visitar primeiro. Ah! Aproveite para conhecer as dicas do pessoal do Turismo de Minas, sobre as igrejas mineiras.

O post Aproveite a quarentena para conhecer algumas igrejas pelo Circuito do Ouro apareceu primeiro em Circuito do Ouro.

Como organizar a sua próxima viagem!

Por enquanto não é o momento para viajar, mas você já pode planejar sua próxima aventura! E um dos maiores desafios para um viajante é definir qual será o seu próximo destino. É muito comum nos basearmos nas dicas de familiares e amigos, garantindo, assim, que nossa próxima aventura seja inesquecível. Contudo, planejar um passeio longo ou uma escapada rápida no fim de semana, gastando pouco dinheiro, pode ser trabalhoso.

Para lhe ajudar a organizar o seu roteiro separamos dicas valiosas. Desde a definição da sua próxima parada, a itens básicos que não podem faltar em sua mala. Vamos lá?

Decida o destino

Já observou a quantidade de cidades, próximas a sua, que você não conhece? Inúmeras vezes programamos viagens para lugares distantes, em busca de tesouros que podemos encontrar pertinho de casa. Como uma cachoeira, uma igreja histórica ou até mesmo a gastronomia local.

Antes de decidir a sua próxima viagem, faça uma lista dos municípios vizinhos, que você ainda não conhece, e pesquise seus atrativos. Certamente você irá se surpreender!

Agora, se a intenção é pegar avião, o ideal é que o roteiro seja para o lugar dos sonhos. Aquele estado ou país que há um bom tempo você gostaria de conhecer. Não se esqueça: confira o clima e o calendário local, para não correr o risco de encarar um feriado por lá ou ainda época de chuva.

Organize o orçamento

Para realizar uma viagem, mesmo poupando, é importante ter uma reserva, para qualquer eventualidade. Se organizar financeiramente é o primeiro passo para que nenhum imprevisto lhe pegue despreparado, ou seja, é preciso planejamento financeiro.

Ninguém, melhor do que você sabe a quantia exata para desembolsar em uma viagem. Por isso, planilhe, exatamente, a quantidade de dias que deseja ficar fora e se a viagem será para perto ou não.

Defina a hospedagem

Roteiro definido, grana separada é hora de decidir onde se hospedar. A escolha da hospedagem depende muito do seu perfil, enquanto viajante e, claro, do orçamento que você tem disponível. Por exemplo, se você vai viajar sozinho, não precisa escolher uma pousada ou hotel romântico.

Uma dica bem legal é procurar a hospedagem através do Booking. Por lá, você consegue buscar o hotel, pousada ou hostel organizando por preço, avaliações, e outras categorias.

Indicamos também o blog Eduardo e Mônica. O casal compartilha no blog as diversas experiências pelo mundo inteiro, inclusive pelos roteiros do Circuito do Ouro. Ele permite que você busque hospedagens alternativas, o que poderá contribuir para sua economia na viagem. A hospedagem representa um custo bem significativo durante passeio, por isso vale a pena se organizar.

Selecione o transporte       

Dependendo do destino é necessário garantir a passagem de avião. Pois, quando o assunto é voou, quanto antes efetuar a compra do seu bilhete, melhor.

Agora se o seu destino é uma daquelas cidades vizinhas, como sugerimos acima, você pode escolher ir de carro ou ônibus. Se a escolha for carro, faça uma revisão antes de pegar estrada e não deixe de executar aquelas regras básicas: coloque o cinto, não misture álcool com direção e dirija sempre em velocidades seguras.

Se ao montar o seu roteiro, você optar pelo ônibus, não deixe para comprar a passagem de última hora, principalmente, se sua viagem for programada para algum feriado. Em primeiro lugar, ao efetuar a compra, verifique se o dia e horário programados estão certinhos na passagem.

Faça um Chek-list

Faça uma lista (um chek-list) e inclua tudo o que você precisa providenciar para sua viagem, como as reservas, a compra das passagens, o que levar. Separe também os medicamentos, a câmera fotográfica e os documentos.

Ah! Não deixe de pesquisar antes, todos os lugares que você gostaria de visitar ao montar o seu roteiro de viagem. Afinal, você não vai querer perder nenhum dos atrativos imperdíveis.

E ao chegar ao destino, tente sempre visitar algum lugar que não estava programado, assim, você se surpreende com as possibilidades que o seu destino reserva.

Programe ainda, durante a viagem, um tempinho para organizar o planejamento para o dia seguinte.

Gostou das dicas? Confira também o post Viajar sozinho ou com agência de viagens: qual a melhor opção?  e descubra qual perfil de viajante você é.

 

O post Como organizar a sua próxima viagem! apareceu primeiro em Circuito do Ouro.

Onde Curtir o Carnaval em Minas Gerais: Lugares Perto de BH

Tá chegando a época mais esperada do ano: o Carnaval 2020. E as cidades mineiras do Circuito do Ouro não vão ficar de fora da folia. Não importa se você está sozinho ou vai levar a família toda para pular feito pipoca, o que não faltam são opções para curtir o Carnaval.

Entre Cenários da História

Ouro Preto tem história e tem muito Carnaval. A cidade que atrai turistas o ano todo, e no carnaval não é diferente. A festa toda é organizada pelas repúblicas de estudantes, que também formam a grande maioria dos blocos, como os famosos Zé Pereira do Clube dos Lacaios, que tem mais de 150 anos de história, do Caixão, Cabrobró, entre outros.

Já em Congonhas a folia do Carnaval é garantida para todas as idades. São shows de artistas famosos, muito axé,  desfile do Bloco Império da APAE e do Arrastão da Melhor Idade e blocos de rua que tomam conta da cidade.

Mariana e Ouro Branco também possuem uma programação de ouro. São diversas possibilidades, até mesmo pra quem deseja dá uma escapadinha da folia e descansar.

Ouro Preto, Ouro Branco, Mariana e Congonhas fazem parte do roteiro Entre Cenários da História e sempre surpreendem pela animação do Carnaval. Mais uma vez promete ser uma das maiores festas do interior.

Se você gosta de festa de rua e não quer ficar parado, o Entre Cenários é a melhor opção. Nada mal, hein?!

 

Entre Trilhas, Sabores e Aromas

Todo mundo sabe que o o roteiro Entre Trilhas é recheado de opções junto a natureza e de coisas deliciosas, que só a cozinha mineira tem. Porém, o carnaval também é uma das delícias do roteiro.

Passar o carnaval em Itabirito, por exemplo, é uma experiência de vida! Já são mais de 30 anos de tradição e uma programação que não deixa ninguém parado. São trios elétricos, blocos tradicionais, desfiles de fantasias, tudo organizado com muito carinho e capricho pela comunidade.

Sabe onde também tem festa boa? Em Sabará! Sim, a terrinha é super famosa pelas tradições religiosas, mas Sabará também é especialista quando o assunto é folia.

Ah! o roteiro ainda oferece opções em Nova Lima, Rio Acima e Raposos, ou seja, motivos é que não faltam para visitar o Entre Trilhas.

 

 Entre Serras da Piedade ao Caraça

O carnaval do Entre Serras tem uma programação muito especial. Catas Altas, Santa Bárbara, Barão de Cocais e Caeté tem uma programação perfeita para famílias que querem se divertir com marchinhas, bonecões e atrações para adultos e crianças. Uma folia com programação diversificada durante os dias de Carnaval.

As cidades do Entre Serras são ligadas por dois importantes santuários – Piedade e Caraça. Então se você cansar do barulho, fica fácil tirar um tempo para entrar em contato com a natureza, mesmo que seja por pouco tempo.

 

Entre Ruralidades e Personalidades

A cidade natal de Carlos Drummond de Andrade também tem Carnaval. A programação conta com blocos e marchinhas. Itabira fica no roteiro Entre Personalidades e Ruralidades, e é uma boa opção para quem quer combinar sossego e agito no mesmo lugar.

Ah! Nova Era, pode ser seu refúgio durante o carnaval. O pequeno centro histórico, a fazenda da Vargem, os bares. Cada cantinho da cidade tem um gostinho muito especial do interior de Minas.

PLANEJE A VIAGEM

  • Transporte: Para chegar em qualquer uma das opções que listamos aqui, o ideal é estar de carro. Mas ônibus também estão disponíveis a partir de Belo Horizonte e das cidades mais próximas.
  • Hospedagem: Reserve com antecedência a sua hospedagem. As festas são famosas nas cidades do Circuito do Ouro de Minas Gerais!

O post Onde Curtir o Carnaval em Minas Gerais: Lugares Perto de BH apareceu primeiro em Circuito do Ouro.

Conheça as delícias da nossa gastronomia

Não tem jeito: Minas Gerais é conhecida, principalmente, por sua gastronomia. É claro que o estado é riquíssimo em belezas naturais, cultura e muita história — afinal, é parte importante de muitos momentos pelos quais nosso país já passou em seu desenvolvimento.

Ainda assim, a culinária sai na frente, e os pratos são tão apetitosos que deixam uma verdadeira marca em qualquer um que passa e visita suas cidades. Na região do Circuito do Ouro, mais especificamente, alguns pratos típicos são ainda mais marcantes. Muitos deles são considerados patrimônios imateriais dos municípios, e têm até suas receitas registradas oficialmente.

Essas tradições não podem ser deixadas de lado em uma viagem para Minas Gerais e, na verdade, são até um ótimo motivo para você mudar a sua rota e passar por determinados lugares! E aí, ficou com água na boca? Então continue nos acompanhando e conheça mais sobre os 4 pratos mineiros mais famosos!

1. Pastel de Angu

Esse pastel não é feito com uma massa comum como os outros. O fubá de milho, na verdade, é seu principalmente componente (o mesmo do angu). Isso faz com que o pastel fique ainda mais saboroso e suculento, além de crocante por fora e super macio por dentro.

A tradição do quitute veio de Itabirito, no roteiro Entre Trilhas, Sabores e Aromas, pertinho de Belo Horizonte, e existe até competição na região para ver qual estabelecimento serve a melhor iguaria, já que a cidade é conhecida por ter o melhor pastel de angu do país. Os pastéis costumam ser recheados com carne moída, mas você também encontra opções com queijos, frango e o especial umbigo de banana. Uma verdadeira delícia!

2. Frango com Ora-Pro-Nobis

O ora-pro-nobis é uma plantinha que provém de um cacto, utilizada de forma refogada (como uma couve ou espinafre). Ela é macia e muito suculenta, e combina bastante com frango — principalmente o caipira, compondo o seu caldo e incrementando o sabor.

A cidade de Sabará, também no roteiro Entre Trilhas, que fica a pouco mais de 20km de Belo Horizonte, usa a hortaliça como um símbolo (assim como a jabuticaba), e existem até festivais em homenagem aos pratos compostos por ela. No restante do Brasil, por outro lado, a planta é dificilmente achada.

 

3. Goiabada

A goiabada é também um dos pratos mineiros mais famosos, e você já deve até conhecer esse doce. Ele possui receita registrada em Barão de Cocais, uma das cidades do Circuito do Ouro que compõe o roteiro Entre Serras da Piedade ao Caraça, e é um dos patrimônios que nosso estado possui, sendo encontrado principalmente do tipo “cascão” (mais duro, feito com a casca da fruta).

Combinar um pedaço de goiabada com queijo minas é a receita perfeita para uma sobremesa que agrada a todos. A mistura do doce com o salgado deixa o gostinho de “quero mais” conhecido por todo o Brasil!

4. Cerveja Artesanal

Produzida fora de grandes fábricas, com produtores locais, a cerveja artesanal não é um prato em si, mas uma iguaria deliciosa que faz a cabeça de todo o Brasil. O estado de Minas Gerais tem se destacado cada vez mais na produção das cervejas artesanais, e essas bebidas refrescantes já podem ser consideradas parte de nossa cultura.

Cidades como Nova Lima e Itabirito, ambas no Entre Trilhas, e Catas Altas, no Entre Serras, se destacam quando o assunto é produção de cerveja. Nova Lima, por exemplo, já é nacionalmente conhecida no ramo por abrigar cervejarias apreciadas em todo o país.

Viu só como os pratos mineiros mais famosos parecem mesmo uma delícia? Então, não perca a chance de experimentar cada um deles — e uma boa oportunidade para isso é conhecer o Circuito do Ouro, uma viagem ideal para os apaixonados pela gastronomia mineira!

Não deixe de conferir a experiência do casal Eduardo e Mônica pelo Circuito do Ouro. Eles conheceram vários pratos típicos da região.

O post Conheça as delícias da nossa gastronomia apareceu primeiro em Circuito do Ouro.

Santo Antônio: conheça um pouco da devoção ao santo

No dia 13 junho é comemorado o dia de Santo Antônio, conhecido como casamenteiro, ele nasceu em Lisboa – Portugal, no ano de 1195. Batizado por seus pais com o nome de Fernando, desde a infância, realizava incessantes orações a Deus por proteção.

Apesar da fama de “santo casamenteiro”, não há nenhum registro sobre casamentos em seus sermões, mas recebeu esse título devido às lendas em torno de seu nome, onde algumas moças, ao se apegarem a Santo Antônio, realizaram o sonho de se casar.

No Brasil, o dia dos namorados é celebrado no dia 12 de junho,  véspera do dia de Santo Antônio. Na ladainha rezada durante a trezena do santo, os devotos pedem, inclusive, a proteção para os casais apaixonados. Conheça as cidades do Circuito do Ouro que possuem igrejas dedicada ao santo.

 

Matriz de Santo Antônio em Ouro Branco

No roteiro Entre Cenários da História, o qual Ouro Branco faz parte, a igreja matriz, localizada no centro da cidade, é dedicada a Santo Antônio. Registros indicam, que a matriz estava de pé no final do século XVIII.

A igreja é considerada uma das mais antigas instituições paroquiais de Minas Gerais.  Ela é um exemplo clássico do barroco. Em seu interior, é possível apreciar o arco-cruzeiro e a capela mor que formam um conjunto de talhas dos mais belos de Minas.

 

Matriz de Itatiaia – distrito de Ouro Branco

Além da igreja Matriz da cidade ser dedicada a Santo Antônio, a igreja, localizada na Vila Itatiaia, distrito de Ouro Branco, também tem como patrono o santo casamenteiro.

A igreja foi também foi construída no século XVIII, as irmandades do Santíssimo Sacramento, Nossa Senhora do Rosário e São Benedito foram as responsáveis por sua construção.

A edificação apresenta duas etapas distintas de construção, sendo a primeira relativa à capela-mor e corredores laterais, com estrutura aparente. A segunda etapa corresponde à nave, onde se empregou a alvenaria de pedra.

 

Matriz de Santo Antônio em Santa Bárbara

Localizada no roteiro Entre Serras da Piedade ao Caraça, a igreja Matriz dedicada a Santo Antônio em Santa Bárbara teve sua construção iniciada no princípio do povoamento nesta região por volta de 1713 e foi parcialmente concluída em meados dos anos 1800.

A pintura da Ascensão de Cristo do Mestre Manoel da Costa Athayde na Capela-mor chama bastante atenção dos visitantes. Além da igreja de dedicada a seu padroeiro, a cidade de Santa Bárbara também guarda o museu dedicado ao santo. O museu antoniano fica bem ao lado da igreja, no centro histórico da cidade. Vale a pena conhecer!

Gostou das dicas? Aproveite para descobrir 9 igrejas barrocas para conhecer.

 

 

O post Santo Antônio: conheça um pouco da devoção ao santo apareceu primeiro em Circuito do Ouro.

“Se eu fechar os olhos agora”: conheça o roteiro onde foi gravada a minissérie

Está no ar na TV Globo a minissérie “Se eu fechar os olhos agora”. A produção, dirigida por Carlos Manga, foi uma adaptação de Ricardo Linhares ao primeiro romance escrito pelo jornalista Edney Silvestre. A trama conta a história de dois amigos, Paulo (João Gabriel D´Aleluia) e Eduardo (Xande Valois) que encontram um corpo de uma mulher à beira do rio, interpretado pela atriz Thainá Duarte, como a personagem Anita.

A história se passa em 1961 na cidade de São Miguel, nome fictício dado a Catas Altas. A cidade mineira serviu de fundo para o enredo. Além de Catas Altas, o centro histórico de Santa Bárbara contribuiu com a produção. Conheça um pouco mais sobre os cenários utilizados pela TV Globo.

 

Centro Histórico de Catas Altas

A Praça Monsenhor Mendes, no centro histórico da cidade, local onde são realizados os principais eventos do município como, por exemplo, a festa do vinho, é o principal destaque. A praça, guarda a imponente Matriz de Nossa Senhora da Conceição, onde também foram realizadas as gravações. Ao redor, os belíssimos casarões contribuíram para a construção do cenário.

 

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição

A matriz, ponto de encontro da comunidade católica da cidade, permanece inacabada. Ela foi edificada em madeira, taipa e pedra. A matriz possui a simplicidade do rococó mineiro. Ela foi erguida com o intuito de substituir uma antiga igreja.

Além de toda imponência da igreja em frente a Serra do Caraça, ela guarda altares laterais da nave datados da primeira metade do século XVIII. É considerada um dos principais patrimônios do município.

No primeiro capítulo da minissérie, é possível apreciar a beleza do interior da matriz, durante o discurso do ator Murilo Benício que interpreta o prefeito Adriano Marques Torres.

Santuário do Caraça

O Santuário do Caraça, famoso no mundo, também aparece nas gravações da minissérie. Localizado em Catas Altas, o complexo é composto por atrativos naturais, gastronômicos e religiosos.

Mesmo tendo sido feita em estilo arquitetônico francês, a Igreja do Caraça foi construída sem mão-de-obra escrava e toda com material regional. O Santuário dedicado a Nossa Senhora Mãe dos Homens é a primeira igreja neogótica do país.   A parte natural do parque também se destaca da minissérie.

Escola Afonso Pena

O espaço da Escola Estadual Afonso Pena ambienta o Colégio Municipal Maria Beatriz Marques, de São Miguel. A escola, que leva o nome do filho mais ilustre da cidade, o presidente da República Afonso Pena, compõe as belezas do centro histórico da cidade que conta ainda com a Igreja Matriz de Santo Antônio, Museu Antoniano e Igreja do Rosário.

Gostou de conhecer um pouco mais sobre o cenário da minissérie? Se a resposta for sim, saiba quais são as outras possibilidades pelo roteiro Entre Serras da Piedade ao Caraça, integrado ainda pelas cidades de Caeté e Barão de Cocais.

 

Foto: Marilane Batista

 

 

O post “Se eu fechar os olhos agora”: conheça o roteiro onde foi gravada a minissérie apareceu primeiro em Circuito do Ouro.

Receba gratuitamente dicas de viagem no seu email!