Aproveite a quarentena para conhecer algumas igrejas pelo Circuito do Ouro

A Semana Santa é um período de reflexão e também pode ser uma excelente oportunidade para peregrinações pelas belas igrejas do Circuito do Ouro. Ops! Desta vez convidamos vocês para um roteiro virtual.

Devido ao COVID 19 a recomendação é que a gente deixe a viagem para depois. Enquanto isso, vamos conhecer um pouco mais as igrejas para programar a próxima viagem, combinado?

As opções são muitas e algumas delas muito famosas e conhecidas internacionalmente por suas riquezas arquitetônicas e artísticas. Para ajudar a aproveitar melhor sua viagem, selecionamos aqui algumas igrejas que merecem uma visita contemplativa e muito tempo para orações e mergulhos na história de Minas Gerais. Outra vantagem é que todos os roteiros são próximos da capital, o que pode tornar tudo mais tranquilo e com mais economia. Vamos começar o passeio pelas igrejas do Circuito do Ouro:

 

Entre Cenários: igreja Matriz de Santo Antônio em Ouro Branco

A Igreja Matriz de Santo Antônio, que se encontra na região central do município de Ouro Branco, é uma das mais antigas instituições paroquiais de Minas Gerais e um exemplo clássico do Barroco do século XVIII. Foi tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional em novembro de 1949.

A parte exterior da Matriz traz as influências da reforma introduzida por Aleijadinho. A igreja é constituída principalmente por pedra, incluindo as colunas, cunhais, cimalha, portada e as sacadas de sua fachada. No interior da Matriz encontram-se pinturas de caráter ilusionista do Mestre Ataíde, com cores claras e translúcidas, representando o Santo Antônio, a Virgem e o Menino Jesus.

 

Entre Cenários: santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas

Uma das belezas religiosas mais características do Estado, o Santuário é Patrimônio Mundial da Humanidade e foi construído entre 1757 e 1790. No adro da basílica, os 12 profetas em pedra-sabão foram esculpidos por Aleijadinho e seus auxiliares.

Na parte interna, a igreja abriga relicários também talhados por ele, rica decoração rococó e pintura do teto assinada por Mestre Ataíde. Tem ainda seis capelas (passos), que representam as Estações da Cruz.   

 

Entre Serras: santuário de São João Batista em Barão de Cocais

Esta foi a primeira participação de Aleijadinho em um projeto arquitetônico. A construção da igreja ocorreu entre 1764 e 1785 e, no portal, há uma escultura de São João Batista, feita em pedra sabão — também obra de Aleijadinho.

Em seu interior, a pintura do teto é obra de Mestre Ataíde e seus altares são folheados à ouro.  É uma riqueza de detalhes que não acaba mais! Barão de Cocais fica a 70 km de BH e possui outras atrações interessantes, como a Igreja de Nossa Senhora do Rosário no distrito de Cocais.

 

Entre Serras: matriz de Nossa Senhora do Bom Sucesso em Caeté

A informações apontam que a primeira igreja matriz do local fora construída em 1732. No entanto, foi em 1752 que a matriz definitiva passou a ser edificada. Sua padroeira era a Virgem Maria, sob o título de Nossa Senhora do Bom Sucesso – uma devoção muito popular entre aqueles que procuravam ganhar a vida procurando metais preciosos nas regiões mineiras.

Há relatos de um antigo vereador caeteense, escrito ainda no século XVIII, dando conta que a planta da matriz teria sido feita e doada por Manuel Francisco Lisboa, pai do Aleijadinho.

A matriz foi construída com grandes proporções, possuindo um elevado pé direito e uma abundante iluminação natural. Além do elegante altar mor, há oito altares laterais, todos bastante harmônicos e com características de transição do barroco para o rococó. Destaca-se a presença de arcos interrompidos em alguns desses altares, uma característica pouco usual em outras igrejas de Minas e também pintura em perspectiva que ornamenta o forro da nave. Não há documentação acerca da autoria desses altares, mas foram detectadas características da escola do Aleijadinho.

 

Entre Trilhas: matriz de Nossa Senhora da Conceição em Raposos

A matriz de Raposos é considerada uma das três igrejas mais antigas de Minas Gerais, todas datadas do final do século XVII. Possui arquivoltas concêntricas em alguns de seus altares – elemento decorativo muito presente na primeira fase do barroco mineiro, e que era decorrente do chamado ‘Estilo Nacional Português’.

Apesar dessas características mais simples, há dois altares laterais com talha mais requintada, sendo que um destes é ornado com dossel, demonstrando que provavelmente foi acrescentado à igreja em data ligeiramente posterior, talvez em meados do século XVIII.

 

Entre Trilhas: capela Nossa Senhora do Ó em Sabará

Datada de 1717, ela possui uma fachada tipicamente barroca com traços simples. Seu interior feito em madeira, cedro e ouro, com pinturas emolduradas com temas da vida de Cristo e Nossa Senhora, surpreende os fiéis e visitantes.

O nome da capela deve-se as ladainhas que eram cantadas repetidamente e tinham suas antífonas precedidas por Ó, por isso, Nossa Senhora do Ó.

Entre Ruralidades: igreja de São José

A igreja de São José foi construída em meados de 1755, na pequena cidade de Nova Era. Seu formato lembra bastante a igrejinha do Ó de Sabará, dá uma olhada. A matriz é o símbolo da fé do município.

O retábulo-mor em estilo rococó é de autoria de Francisco Vieira Servas (1720-1811), o artistas, natural de Portugal, também deixou seu legado em outras cidades do Circuito do Ouro, depois a gente fala mais sobre ele. As pinturas existentes nos forros da nave e da Capela- Mor, não possui registros do autor.

 

Entre Ruralidades: ermida de Nossa Senhora do Rosário em Itabira

A igreja teve grande influência na formação urbana do município. A Ermida de Nossa Senhora do Rosário foi construída pelos negros alforriados no final século 18 para a Santa Maria do Rosário dos Pretos.

Antigamente não era permitido que negros frequentassem a mesma igreja dos brancos, mas nesta eles tinham um espaço reservado. O piso é de campas, onde foram sepultados os negros escravos ou alforriados, pertencentes a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário, fundada em 1812. A ermida caracteriza-se pela predominância do estilo barroco. A pintura do teto da capela-mor é de inspiração rococó.

E aí gostou das dicas? Agora é só aproveitar para saber qual roteiro você deseja visitar primeiro. Ah! Aproveite para conhecer as dicas do pessoal do Turismo de Minas, sobre as igrejas mineiras.

Receba tudo no seu email! Prometemos não enviar spam!

Confira também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

esqueci minha senha